• Massapê - CE / Créditos: Patrícia Costa
  • Massapê - CE / Créditos: Patrícia Costa

  • Massapê - CE / Créditos: Patrícia Costa

  • Paisagens do Ceará / Créditos: Raquel Pessoa
  • Acarau-CE / Créditos: Silvana Farias
  • Cruz - CE / Créditos: Silvana Farias
  • Cruz - CE / Créditos: Silvana Farias
  • Pacatuba - CE / Créditos: Silvana Farias
  • Massapê - CE / Créditos: Patrícia Costa
  • Massapê - CE / Créditos: Patrícia Costa
  • Massapê - CE / Créditos: Patrícia Costa
  • Paisagens do Ceará / Créditos: Raquel Pessoa
  • Acarau-CE / Créditos: Silvana Farias
  • Caucaia - CE / Créditos: Silvana Farias
  • Cruz - CE / Créditos: Silvana Farias
  • Pacatuba - CE / Créditos: Silvana Farias

PPGCN                          

Programa de Pós-Graduação em Ciências Naturais

                                              

                                                  

Laboratórios2 do PPGCN (2)

>>> Área de Preservação Ambiental

No âmbito do PPGCN, os laboratórios têm por finalidade a formação acadêmica teórico-prática; no âmbito da pesquisa, visa o desenvolvimento de competências e habilidades que contribuam para a ampliação do conhecimento na área e o desenvolvimento de métodos, técnicas, serviços e produtos que atendam distintas demandas e ambiências; no âmbito da extensão universitária, objetiva atender as demandas institucionais (bibliotecas, arquivos, museus, centros de informação e de documentação) e da comunidade em geral, procurando contribuir para o desenvolvimento sustentável da sociedade, oferecendo capacitação em diferentes níveis: atualização, extensão, especialização, bem como assessorias e consultorias e, ainda, a prestação de serviço técnico-especializado às instituições e à comunidade em geral.

 

1. Infraestrutura de Ensino e Pesquisa

 

O Ciências Naturais tem concepção na qual defende o crescimento econômico considerando os impactos ao ambiente natural e o esgotamento de recursos naturais, levando em conta a contemplação à natureza, aliado ao seu uso racional e manejo criterioso pela nossa espécie, executando um papel de gestor e parte integrante do processo.

Para tanto se busca o desenvolvimento sustentável, com redução do uso de matérias-primas, uso de energias renováveis, redução do crescimento populacional, combate à fome, mudanças nos padrões de consumo, equidade social, respeito à biodiversidade e inclusão de políticas ambientais no processo de tomada de decisões econômicas são alguns de seus princípios. Inclusive, este propõe que se destinem áreas de preservação, por exemplo, em ecossistemas frágeis, com muitas espécies endêmicas e/ou em extinção, dentre outros.

Dessa forma, os integrantes do Programa em Ciências Naturais possuem áreas-laboratórios específicas para estudos de monitoramento e aproveitamento de recursos naturais, tais áreas são:

 

 

1.1. Unidade Experimental de Educação Ambiental e Ecologia

 

O Programa conta com a Unidade Experimental de Educação Ambiental e Ecologia, no Município de Pacotí, CE, da Universidade Estadual do Ceará, implantado como uma forma de estruturar e potencializar o espaço, a estrutura e o potencial ali existentes como parte da política de expansão da Universidade no interior do Estado.

O município faz parte do Maciço do Baturité, distante cerca de 120 km de Fortaleza, dentro de uma Área de Proteção Ambiental (APA), agregando cinco municípios no maciço e sete no entorno da serra; daí a importância para o desenvolvimento regional, pois a repercussão do trabalho do Campus se estende por toda a região. O Campus ocupa uma área de cinco hectares com 700 metros quadrados construídos. (20 dormitórios, cozinha, auditório, biblioteca etc.).

O Campus Experimental abriga atividades transdisciplinares, prioritariamente de formação e de extensão, educativas, culturais e de desenvolvimento humano, coerentes com os princípios e referenciais teóricos defendidos, levando em consideração o que pensam e o que sentem as pessoas das comunidades.

O espaço educativo trabalha a partir das comunidades da região, buscando simultaneamente as esferas de desenvolvimento sustentável e humano, pressupondo-se uma nova concepção de educação e de relações sociais e de vida, compartilhando experiências inovadoras e trabalhos científicos no âmbito da eco-formação, da pesquisa ambiental, do desenvolvimento humano e da sustentabilidade, transformando num lócus permanente de descobertas e trocas de saberes, visando  recomposição harmoniosa dos espaços florestais da região.

 

 

1.2. Fazenda Guaúba

 

A Fazenda Guaiúba - da Universidade Estadual do Ceará (UECE) - ocupa uma área de 300 hectares e está localizada na Região Metropolitana, no município de Guaiúba, a 26 km de Fortaleza; abriga um moderno Centro de Difusão de Biotecnologia Animal no Estado do Ceará. Esse Centro conta com alojamentos (masculino e feminino para alunos e para professores), refeitório e salas de aulas.

A estrutura da Fazenda Guaiúba conta com rebanhos bovinos, caprinos e ovinos. As novas instalações da fazenda permitem a criação de uma unidade com maior alcance social, viabilizando a capacitação e preparação de mão de obra rural, sem, contudo, deixar em plano inferior um programa de educação continuada para médicos veterinários, engenheiros agrônomos, zootecnistas, químicos, biólogos e técnicos agrícolas dos órgãos e empresas públicas e privadas. A Unidade possibilita treinar e capacitar à mão de obra de forma continuada, suprindo uma enorme lacuna existente no manejo e conservação de pastagens, e bem estar animal.

A fazenda conta ainda com uma reserva, onde se encontra grande variedade de espécies vegetais como Sabiá, Angico, Aroeira, Pau Branco, Pau D'arco e outros. Para preservar todo esse patrimônio foi instado um posto policial na Fazenda Guaiúba.

 

 

1.3. GeoPark Araripe

 

Situado no lado cearense da Bacia do Araripe, na região do Cariri, o GeoPark Araripe é grandioso. Estendendo-se numa área de mais de 3.500 km2, perpassa seis municípios carirenses, entre eles o famoso Crajubar (Crato, Juazeiro do Norte e Barbalha) e é considerado um dos principais sítios do Período Cretáceo do planeta.

É uma região especial, destacada pelos achados geológicos e paleontológicos, com registros entre cento e dez (110) e setenta (70) milhões de anos. A diversidade e o estado de conservação da riqueza encontrada são excepcionais. Uma libélula chegou a ser encontrada até com os vasos sanguíneos preservados.

No Araripe está mais de um terço de todos os registros de pterossauros descritos no mundo, mais de vinte (20) ordens diferentes de insetos e única notação da interação inseto-planta. Há similares destas mesmas espécies na África, indício de quando os continentes foram um só, na época do continente primaz Gondwana.

O Programa de Pós-Graduação em Ciências Naturais incentiva a preservação dos locais principais, transformados em sítios de visitação e pesquisa compondo uma rede de nove (9) parques ou Geotopes, com registros documentais considerados imprescindíveis à compreensão da origem, evolução e atual estrutura da Terra e da vida. Todos os nove Geotopes representam situações de grande significado científico para a compreensão da evolução da terra e da vida, que precisam ser preservados por serem únicos no planeta com as suas características.

As rochas do Araripe GeoPark também comprovam de forma convincente a ocorrência, já em épocas remotas da história da Terra, de diversas mudanças climáticas, com grandes modificações ambientais.

De maneira geral, o Araripe GeoPark é uma janela única que nos possibilita o conhecimento de uma fase extremamente interessante da história da Terra e, juntamente com a biosfera como um todo, um excepcional parque natural internacional.

 

 

1.4. Campo Experimental de Pacajus

 

O Campo Experimental de Pacajus (CEP) da Embrapa Agroindústria Tropical tem por finalidade possibilitar o desenvolvimento e execução de trabalhos de pesquisa com matérias-primas tropicais em temas estratégicos, como o melhoramento genético de plantas, fertilidade dos solos, fisiologia vegetal, nutrição de plantas, manejo e práticas culturais, fitopatologia, entomologia etc. Essa base física proporciona também a execução de atividades de treinamento (estágios, cursos) e difusão de tecnologias geradas pela área técnico-científica da Embrapa Agroindústria Tropical para atender a missão e aos objetivos estabelecidos.

O Campo Experimental de Pacajus está localizado na cidade de Pacajus (CE), a 50 km de Fortaleza, em uma região de transição entre o litoral leste e o Semiárido.

 

 

1.5. Campo Experimental do Curu

 

O município de Paraipaba, localizado na região litorânea do Ceará, distante 90 km de Fortaleza, possui uma exuberância de aproximadamente 14 km de praia que se estendem a partir da foz do rio Curu até a barra, formado pelas tranquilas águas da lagoa das Almécegas com a beleza sem igual das praias, dunas e lagoas existentes ao longo de toda costa. O município conta com uma população de 28.192 habitantes. As características do solo, relevo, clima e disponibilidade de recursos hídricos contribuíram para instalação do Perímetro Irrigado Curu-Paraipaba, com área de 12.000 hectares, onde 3.287 hectares correspondem a área irrigada. Diversas culturas exploradas, tais como: graviola, coco, cana-de-açúcar, acerola e mamão. É neste cenário que está inserida a Embrapa Agroindústria Tropical, através do Campo Experimental do Curú, que está localizado no Setor D1, Zona Rural, Perímetro Irrigado do Curú. O campo se estende em uma faixa de terra desmembrada em duas partes, sendo a primeira denominada de áreas mortas II e III, medindo 203 hectares. A segunda, denominada Centro Técnico, mede 30 hectares.

 

 

 

2. Infraestrutura de Laboratórios

 

O Programa em Ciências Naturais conta com laboratórios de pesquisa na Universidade Estadual do Ceará e na Embrapa Agroindústria Tropical. A seguir são listados, os principais laboratórios com os respectivos equipamentos disponíveis:

 

 

2.1. Laboratório de Química de Produtos Naturais

 

No Laboratório de Química de Produtos Naturais são pesquisados materiais de origem vegetal. O processo se inicia com a triagem de bioatividade dos extratos brutos seguindo-se o seu fracionamento até a identificação do(s) princípio(s) ativo(s). Muitas plantas produzem substâncias com propriedades farmacológicas, que podem ter atividade tóxica a outros organismos e, geralmente, são facilmente decompostas e eliminadas do meio ambiente. Atualmente, algumas pesquisas são também direcionadas ao desenvolvimento de técnicas de encapsulamento de substâncias bioativas naturais ou sintéticas. São desenvolvidos sistemas microparticulados biodegradáveis a base de galactomananas isoladas da espécie Delonyx regia.

O Laboratório é composto por cinco salas: (a) instrumentação analítica (12 m2), (b) bancada de trabalho para os pesquisadores e alunos (48 m2), (c) sala de computadores (12 m2), (d) sala quente (24 m2), (e) salas para professores (24 m2). E conta com os seguintes equipamentos:

 

Este laboratório possui os seguintes equipamentos: espectrofotômetro na região do ultravioleta e do visível, cromatógrafo líquido de alta eficiência, ressonância magnética nuclear, cromatógrafo gasoso acoplado a espectrómetro de massas, absorção atômica, leitora elisa, capela de fluxo laminar, balança analítica, bomba de vácuo de baixa pressão, cabine de fluxo laminar vertical, rotoevaporador, bateria de extração soxhlet, incubadora BOD, deionizador com sensor condutivímetro e alarme óptico, destilador de água com pureza abaixo de 3s, estufa de esterilização e secagem com sistema de circulação de ar, freezer horizontal, refrigerador duplex, agitador magnético com aquecimento, agitador mecânico com regulador de altura e inclinação, banho ultrassom, phmetro de bancada com medidor de temperatura, turbidímetro de bancada, condutivímetro portátil e de bancada digital e computadores.

 

 

2.2. Laboratório de Biotecnologia

 

No Laboratório de Biotecnologia é avaliado o grande potencial da biotecnologia do Semiárido. O Laboratório participa do processo de inovação tecnológica através de pesquisa e ensino de alta qualidade, almejando beneficiar a população da Região Nordeste e do País.

O Laboratório é composto de uma sala de 28 m2. E destina-se à realização de sínteses e purificação de compostos bem como reações de biocatálises utilizando-se enzimas contidas em vegetais ou liberadas por microrganismos.

O laboratório possui os seguintes equipamentos: Agitador magnético sem aquecimento, agitador magnético com aquecimento, balança analítica eletrônica digital, banho-maria com agitação com gabinete de aço inoxidável, banho ultratermostatizado com bomba de circulação, destilador de nitrogênio (sistema analógico), phmetro de bancada, bomba de vácuo com vacuômetro e manômetro, bureta digital, condutivímetro de bancada digital, destilador de água com pureza abaixo de 3 s, câmera incubadora para DBO, shaker, estufa de esterilização e secagem e computadores.

 

 

2.3. Laboratório de Bioprocessos e Bioprodutos

 

No Laboratório de Bioprocessos e Produtos, o grupo de pesquisadores (Grupo de Biotecnologia Ambiental) tem atuado na melhoria e agregação de valores na cadeia produtiva de recursos naturais e no monitoramento da biodiversidade do Semiárido. O Grupo conta com alunos de Graduação (Iniciação Científica dos cursos de química, biologia, nutrição e física) e de alunos de Pós-Graduação (Doutorado da Rede Nordeste de Biotecnologia e Programa de Pós-Graduação em Recursos Naturais) incrementando a formação de recursos humanos altamente qualificados no que diz respeito aos problemas regionais, objetivando difundir o conhecimento tanto dentro do Brasil como no cenário internacional. O Grupo tem atuado em (1) Eletroquímica Medicinal e Farmacoeletroquímica: uso de métodos e dispositivos eletroquímicos em biomedicina, (2) Estudo químico e biotecnológico para desenvolvimento de fármacos e medicamentos, (3) Inovação biotecnológica para biorremediação de água e solos contaminados, (4) Desenvolvimento de bioprocessos para agregação de valor a resíduos industriais.

O Grupo de Biotecnologia Ambiental, que realiza estudos visando o desenvolvimento sustentável da Região Nordeste com atuação na cadeia produtiva de recursos naturais e no monitoramento da biodiversidade do Semiárido, conta com o Laboratório de Bioprocessos e Produtos com área de 65 m2. Seguidamente estão listados equipamentos imprescindíveis em pesquisas biotecnológicas:

O laboratório possui os seguintes equipamentos: espectrofotômetro infravermelho com transformada de Fourier, potenciostato/galvanostato, microbalança de cristal de quartzo acoplada a potenciostato, polarógrafo, espectrofotômetro de infravermelho, espectrofotômetro na região do ultravioleta e do visível, impedância, filtro de rede, pHmetro, centrífuga, estufa, capela de fluxo laminar, capela de fluxo laminar (nível II), shaker, ultrapurificador de água, destilador de água, amplificador lock-in, bomba de vácuo, balança analítica, evaporador rotativo, botijão para nitrogênio líquido, agitador magnético, refrigerador duplex e computadores.

 

 

2.4. Laboratório de Geologia

 

No Laboratório de Geologia estão sendo desenvolvidas no Semiárido e, principalmente, no litoral do Estado do Ceará e no litoral setentrional do Nordeste brasileiro. Os trabalhos desenvolvidos nos últimos anos permitem aos pesquisadores propor soluções para diversos problemas em ambientes costeiros e marinhos rasos, tais como: erosão costeira, problemas de soterramentos por dunas, avaliação de impactos ambientais em terrenos sedimentares, contaminação de praia por derivados de petróleo, e problemas de erosão e assoreamento em portos, desembocaduras, barragens e ambientes marinhos rasos.

O Laboratório desenvolve atividade de identificação e descrição macroscópica de minerais e rochas. As amostras estão classificadas e identificadas com fichas que contêm as suas informações básicas, o espaço físico do Laboratório de Geologia é de cerca de 70 m2.

O laboratório possui os seguintes equipamentos: agitador magnético, agitador mecânico, balança analítica, câmera fotográfica digital, GPS, gravadores, medidor de pH, mesa agitadora orbital, moinho, penetrômetro para solo, microscópios ópticos para análises petrográficas, aparelho para determinação da velocidade de propagação de ondas, conjunto de estereoscópio, utensílios para a determinação da resistência ao esmagamento de agregados e bússola geológica.

Além dos itens permanentes listados anteriormente, os laboratórios dispõem de outros bens de características multiusuários, como por exemplo: caminhonete a gasolina, veículo Toyota, 4 portas e a diesel, veículos S-10 cabine dupla 4x4, barco com motor, data show e computadores.

 

 

 

A Embrapa Agroindústria Tropical atua em todo o Brasil e é reconhecida como referência nacional e internacional. A sua atuação em pesquisa, desenvolvimento e inovação está voltada para a interface agricultura (atividades agrícolas, pecuárias, florestais e agroindustriais) e meio ambiente. Trabalha-se conciliando as demandas dos sistemas produtivos com as necessidades de conservação de recursos naturais e preservação ambiental. Assim, busca-se a sustentabilidade da agricultura, em benefício da sociedade.

A Unidade possui infraestrutura de informática composta por uma rede local de computadores interligada, por fibra ótica, pontos de presença da RNP no Ceará. Fazem parte da rede, 4 (quatro) Servidores, sendo 2 (dois) "SUNFire V20z" com processadores AMD de 64 bits, e 2 (dois) com processadores Intel, todos rodando o sistema operacional FreeBSD. Mais de 200 micros, entre desktops e notebooks estão distribuídos nas diferentes áreas da Unidade.

A Embrapa Agroindústria Tropical mantém laboratórios equipados com estufas, balanças, microscópios e outros aparelhos correlatos. Atualmente, há 14 laboratórios, nos quais são conduzidos trabalhos de pesquisas e prestados serviços de análises para atendimento a projetos de pesquisa. Nos últimos anos houve um grande investimento para melhor adequar a estrutura física da empresa, ao atendimento das novas demandas de PD&I previstas no Plano Diretor. Destaque para a conclusão do laboratório de Processos Agroindustriais e a construção dos laboratórios de Biologia Molecular e Gestão Ambiental.

 

 

2.5. Laboratório de Microbiologia de Solo

 

O laboratório possui instrumentos para executar trabalhos de apoio à pesquisa em Ecologia e Microbiologia do Solo. Suas principais linhas de atuação são:

a) Ações de pesquisa na área de fertilidade do solo e nutrição de plantas;

b) Avaliação de nutrientes em solo, planta, fertilizante orgânico e qualidade de água para irrigação;

c) Ecologia de bactérias endofíticas e fungos micorrízicos de fruteiras;

d) Indicadores microbiológicos e bioquímicos do solo tropical;

e) Ecologia de microrganismos e fauna do solo tropical;

f) Biofertilizantes para agricultura orgânica.

 

Este laboratório possui os seguintes equipamentos: autoclave de bancada, capacidade 21 L, balança digital, câmara de fluxo vertical, centrífuga de mesa, chapa aquecedora, estereo-microscópio, Estufa de germinação e incubação, estufa de secagem e esterilização, geladeira biplex, incubadora BOD, incubadora refrigerada (shaker), Incubadora tipo vitrini, BOD, microondas, microscópio ótico, microscópio ótico com câmara de captura de imagem e pHmetro digital.

 

 

2.6. Laboratório de Análise de Alimentos

 

O Laboratório de Análise de Alimentos apresenta uma área aproximada de 140 m2 e dispõe de um ambiente de pesquisa multidisciplinar, atendendo a diversos projetos de pesquisas do Programa de Pós-Graduação em Ciências Naturais (UECE).

a) Ações de pesquisa na área de frutos e derivados (sucos, polpas, doces, geléias e outros), água de coco, queijos, castanhas, nozes e outros.

b) Desenvolvimento de novos produtos.

c) Avaliação da estabilidade de produtos processados.

d) Avaliação da qualidade de alimentos e bebidas por meio de análises físicas, químicas e físico-químicas.

 

É composto de dois (2) ambientes devidamente separados:

a) Laboratório de análises físico-químicas, equipado para realizar as seguintes atividades:

i) Caracterização física, química e físico-química de alimentos in natura e produtos processados (umidade, proteínas, lipídeos, sólidos solúveis, acidez total, fibras, cinzas, minerais, vitamina C, taninos, cor e perfil de textura);

ii) Controle analítico de fases do processamento de alimentos e do produto;

iii) Controle de qualidade durante fabricação e estocagem de alimentos;

iv) Avaliação de mudanças nas características físicas, químicas e físico-químicas de um produto modificado em função de fatores como: substituição de ingredientes ou equipamentos, mudança de fornecedores, mudanças no processamento, redução de custos etc.

 

Este laboratório possui os seguintes equipamentos: aparelho para determinação de atividade de água, balanças analíticas, banho e processador ultrassônico, Bombas de vácuo, centrífugas, chapas de aquecimento, colorímetro, espectrofotômetro, destilador de nitrogênio, destiladores soxlet, dispersor de solo, estufas (circulação e a vácuo), evaporador rotativo, freezers, liofilizador, micro-moinho, mufla, potenciômetro, seladora a vácuo, sistema purificador de água, refratômetro, rotaevaporador, texturômetro, turrax e termomix para eppendorf (shaker).

 

b. Sala de cromatografia, equipada para realizar as seguintes análises:

i) Análises por comatografia gasosa (compostos voláteis, óleos essenciais, ceras, ácidos graxos, fitosteróis, ácidos fenólicos);

ii) Análises por cromatografia líquida (ácidos orgânicos, açúcares, antocianinas, flavonoides, furfural, glicerol);

 

Esta sala possui os seguintes equipamentos: Cromatógrafo gasoso com injeção automática e detector FID, Cromatógrafo gasoso com detector de massas (CG-EM), cromátografo líquido (HPLC) e cromátografo líquido com detector de massas (HPLC-MS).

 

 

2.7. Laboratório de Gestão Ambiental

 

O laboratório de Gestão Ambiental tem como objetivo desenvolver produtos e processos focados no uso sustentável e integral da biomassa regional não alimentar, atua em duas áreas: Gestão socioambiental e Processos agroindustriais.

Suas principais linhas de atuação são:

i) Valorização de resíduos e co-produtos por meio da adequação de novas rotas tecnológicas para a obtenção de novos produtos, incluindo aplicações não alimentares (nanocelulose, celulose bacteriana, biofilme, espumas, géis, energia e compósitos);

ii) Valorização de matérias-primas da biodiversidade regional com potencial agroindustrial para novos produtos, incluindo aplicações não alimentares (nanocelulose, celulose bacteriana, biofilme, espumas, géis, energia e compósitos);

iii) Avaliação do desempenho econômico, social e ambiental das inovações tecnológicas estabelecidas;

iv) Modelagem e simulação para o scale-up dos processos de manufatura desenvolvidos.

 

Este laboratório possui os seguintes equipamentos: agitador de solução, agitadores magnéticos, agitador mecânico digital, autoclave vertical 18 l, balança analítica, balança precisão, bomba de vácuo, bureta automática, condutivímetro, destilador de nitrogênio, digestor de balões, digestor de fibra, digestor dry block, espectrofotômetro, estufa a vácuo, estufa bacteriológica, extrator de gordura, freezer, moinho de facas tipo Willye, moinho de serra, mufla, phmetro, placas aquecedora com agitação, rota-evaporador, termostato, ultra turrax e ultra-som de ponteira.

 

 

2.8. Laboratório de Análise Sensorial de Alimentos

 

O Laboratório de Análise Sensorial de Alimentos apresenta uma área aproximada de 64 m2, sendo composto de quatro ambientes distintos:

a) sala de preparo de amostras, com 34 m2, provida de pia, fogão, geladeiras, freezers, forno micro-ondas, eletrodomésticos como miniprocessador e grill, além de ampla bancada para preparar e servir as bandejas com as amostras para análise.

b) seis (6) cabines individuais, num total de 11 m2, providas de terminais de computadores para registro das respostas dos provadores em software (FIZZ); jogos de iluminação (branca/vermelha), janela para passagem das amostras, sinal luminoso para intercomunicação do provador com o analista.

c) sala de treinamento de provadores, com 19 m2, provida de mesa redonda, quadro branco, retroprojetor, computador desktop (servidor da rede das cabines).

d) sala de olfatometria, com 16 m2, onde é feito o isolamento dos compostos voláteis dos alimentos e bebidas e a determinação da importância odorífera de cada composto.

Esta sala possui os seguintes equipamentos: Sistema de isolamento de voláteis do headspace por SPME, Cromatógrafo gasoso com detector FID, Detector olfatório acoplado ao cromatógrafo e computador equipado com software para coleta de dados Tempo-Intensidade.

 

 

2.9. Laboratório de Instrumentação

 

O Laboratório de Instrumentação tem característica multidisciplinar que atua em projetos de pesquisa e desenvolvimento de produtos e processos para frutas tropicais. O laboratório tem desempenhado um papel fundamental em grandes colaborações com Centros de Pesquisa no Estado e no País.

Este laboratório possui os seguintes equipamentos: banho ultra-sônico, espectrofotômetro com leitora de placas, espectrofluorímetro com leitora de placas, cromatógrafo líquido com detector uv-vis, cromatógrafo gasoso com detector fid, cromatógrafo gasoso com detector de massas (CG-EM), spray-dryer, texturômetro, calorímetro, módulo de microfiltração, moinho de facas de bancada, moinho de rotor vertical de bancada com serras de aço, moinho criogênico de bancada, moinho de martelos de bancada, moinho de facas piloto, moinho de martelos piloto, analisador termogravimétrico, analisador de tamanho de partícula e potencial zeta, fluidizador de pistão de bancada, fluidizador de pistão piloto, conjunto integrado e modular para mistura, reometria e extrusão de materiais poliméricos, analisador termo-mecânico-dinâmico, respirômetro anaeróbio automático, reator de alta pressão com explosão de vapor, reator laboratório de alta pressão, analisador de carbono orgânico total, reator tubular de parede dupla, homogeneizador tipo turrax, agitador mecânico para reatores, sistema de controle automático de pH, sistema de recirculação de água com aquecimento, centrífuga refrigerada, prensa hidráulica, extrusora de bancada para laboratório, calandra de bancada de laboratório em aço inox para filmes plástico, granulador peletizador de bancada de laboratório, estufa de secagem com circulação/renovação de ar, máquina universal de ensaios mecânicos, máquina de resistência ao impacto, estufa a vácuo, liofilizador, capela de exaustão de gases, colorímetro, reômetro de bancada, espectrômetro de absorção atômica, fotômetro de chama digital, analisador elementar, espectrofotômetro microprocessado e digital, ultrafreezer, determinador de fibras, fermentador, espectrofotômetro uv-visível, fotômetro de chama, homogeneizador em V, concentrador rotativo a vácuo, medidor de ângulo de contato e analisador de óleos e graxas.

 

 

2.10. Entomologia

Neste laboratório são realizadas as seguintes atividades:

a) Ações de pesquisa na área de pragas e inimigos naturais, monitoramento e identificação de pragas de caju, melão, plantas ornamentais e outras;

b) Manutenção de coleção de artrópodes;

c) Monitoramento de pragas de caju e melão visando a Produção Integrada de Frutas;

d) Monitoramento de mosca-das-frutas na região do Limoeiro, CE;

e) Diagnóstico, monitoramento e recomendação de controle de pragas de culturas de interesse agroindustrial;

f) Testes de eficiência agronômica de inseticidas químicos e biológicos visando o controle de pragas de fruteiras agroindustriais;

g) Estudos da biologia de insetos pragas e inimigos naturais.

 

 

 

2.11. Fitopatologia

 

Atividades desenvolvidas:

 

a) Estudos de patologia pós-colheita com ata, graviola, pseudofruto do cajueiro, mamão, melão;

b) Testes in vitro com óleos essenciais e extratos de plantas com potencial para o emprego em programas de controle de fitopatógenos;

c) Clínica fitopatológica atendendo produtores, pesquisadores, técnicos e instituições envolvidas com a produção agrícola.

 

 

2.12. Cultura de Tecidos

 

Atividades desenvolvidas:

 

a) Micropropagação em larga escala de Banana, Abacaxi ornamental (Ananas lucidus, A. bracteatus e A. nanus), Gérbera;

b) Otimização do processo de micropropagação;

c) Elaboração de protocolos de micropropagação de Helicônia, Antúrio, Abacaxi ornamental (A. lucidus e A. bracteatus);

d) Germinação de sementes in vitro de Orquídeas.

 

 

2.13. Fisiologia Vegetal

 

Atividades desenvolvidas:

 

a) Determinações bioquímicas dos diversos órgãos das plantas;

b) Ações de pesquisa na área de ecofisiologia de fruteiras;

c) Avaliação das relações hídricas de plantas;

d) Análise de germinação de sementes de plantas frutíferas e ornamentais;

e) Análise quantitativa e qualitativa do desenvolvimento de mudas e plantas adultas.

 

 

2.14. Bioprocessos

 

Atividades desenvolvidas:

 

a) Avaliação de valorização de resíduos agroindustriais tropicais por fermentação em meio semi-sólida;

b) Produção de compostos de alto valor agregado e enzimas por fermentação líquida submersa.

 

No Campo Experimental de Pacajus há viveiros onde são produzidas mudas frutíferas para fins de pesquisa e comerciais, além de permitir o desenvolvimento e execução de trabalhos de pesquisa com cajueiro, aceroleira, coqueiro e outras matérias-primas tropicais em áreas estratégicas como o melhoramento genético de plantas, fertilidade dos solos, fisiologia vegetal, nutrição de plantas, manejo e práticas culturais, fitopatologia, entomologia etc. Os campos experimentais são, também, estruturas físicas adaptadas para atividades de treinamento (estágios, cursos) e difusão e transferência de tecnologias.

Algumas das atividades desse Centro de Pesquisa são calcadas na realização de ensaios biológicos e químicos em amostras de solo e plantas, seguindo padrões internacionais de qualidade, e não constituem necessariamente inovações tecnológicas no seu modo de utilização.

 

 

2.15. Laboratório de Microbiologia

 

O Laboratório de Microbiologia se encontra no campus Betânia da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA). O laboratório possui três linhas de pesquisa: Testes de sensibilidade antimicrobiana, Análise microbiológica de água e alimentos e estocagem de micro-organismos. Para tanto, conta com equipamentos como estufa bacteriológica, estufa de secagem, autoclaves, contadores de células, microscópios, capela de fluxo-laminar, refrigerador, micro-ondas, banho-maria, balança analítica e diversos reagentes. O laboratório conta com parceiros como, o Laboratório de Produtos Naturais (Universidade Estadual do Ceará), Laboratório de Imunologia (Universidade Federal do Ceará), Laboratório de Biologia Molecular (UVA), Laboratório de Química Orgânica (UVA).

 

 

2.16. Laboratório de Química de Produtos Naturais e Analítica Aplicada

 

O Laboratório está realiza pesquisa relacionada à bioprospecção de produtos naturais de plantas da região noroeste, estudos de sensores e biossensores analíticos, além do desenvolvimento de polímeros naturais e sintéticos e biomateriais. O laboratório que se encontra no campus Betânia, da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA), possui área total de 210 m2 e está equipado com espectrômetro de massas, espectrômetro de infravermelho, Cromatógrafo líquido de alta eficiência (HPLC) e espectrômetro de absorção atômica com forno de grafite, além de uma sala de moagem.

 

 

2.17. Sistema de Laboratórios Associados de Inovação e Sustentabilidade

 

O sistema de laboratórios constitui uma ferramenta indispensável para o melhor acompanhamento dos ciclos de produção e identificação de alternativas de interação entre processos. O sistema contribui para um meio ambiente (campo e cidade) mais limpo e para a defesa dos produtos agrícolas e industriais brasileiros no mercado internacional. Os laboratórios são equipados com unidade piloto e de bancada de pirólise de biomassa, espectrofotômetro de uv-vis, reator catalítico de aço inox de bancada, queimadores e concentradores de calor, analisadores de gases de combustão, analisador de uv-pulsante de ozônio troposférico, amostradores de poluentes atmosféricos, biorreator anaeróbico, sistemas de amostragem de vapores e gases de exaustão, sensores e controladores de temperatura com software integrado, sistemas de avaliação veicular on board, cromatógrafo gasoso portátil, câmara de combustão de biometano, entre outros equipamentos, unidade de pirólise de bancada. O sistema de laboratórios conta ainda com um túnel de vento subsônico em circuito fechado com capacidade para realizar estudos em escala, com uma área de teste de 1 m2 e faixa de operação até 40 m/s (~150 km/h), que ocupa uma área de 500 m2, a fim de desenvolver sistema de captação de dados, simulação de deslocamentos de ar na análise do desempenho aerodinâmico e determinar os efeitos da carga de vento no âmbito de análises de estruturas, materiais, conforto térmico, dispersão de emissões, entre outros.

-

Laboratório de Química de Produtos Naturais     UECE

Laboratório de Bioprocessos e Produtos        UECE

Laboratório de Geologia                                     UECE  

Laboratório de Microbiologia  de Solo            EMBRAPA

Laboratórios: Análise Sensorial de Alimentos EMBRAPA

Laboratório de Biomassa (Instrumentação) EMBRAPA

 

Editais

Portal do Egresso

Apoios

Calendário

October 2020
DSTQQSS
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
-----
 

Universidade Estadual do Ceará - UECE
Av. Dr. Silas Munguba, 1700, Campus do Itaperi, Fortaleza-CE
CEP: 60.714.903 - Ver localização no mapa - Fone/Fax: (85) 3101-9766
Governo do Estado do Ceará.